Receba nossa newsletter e fique por

dentro das dicas e novidades da clinica Len   

 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Ícone

desenvolvido por @onebranding

Perde de Fôlego

A “perda do fôlego” ainda é um fato que preocupa muito os pais.


É uma afecção relativamente comum na infância, constituída por episódios de apneia (parada na respiração) que podem ser ocasionais ou ocorrerem várias vezes ao dia, dependendo de peculiaridades de cada caso. 

Na “perda do fôlego” estas apneias são provocadas pela própria criança. Os casos de retenção voluntária da respiração começam entre os 6 meses aos 2 anos de idade. 

Estes casos normalmente desaparecem aos 4 ou 5 anos. Não são perigosos e não causam dano cerebral. 

Em geral a PERDA DE FÔLEGO só ocorre na presença dos pais ou avós, e não quando há somente outras pessoas em volta.

Seu filho pode reter a respiração se ficar assustado, frustrado ou enjoado. Muita vezes ocorre após uma queda ou uma batida (que provocam um susto grande). Outras vezes ocorre após uma crise forte de choro, em que a criança cada vez mais “puxa” o ar para chorar, prendendo a respiração. Com a falta de oxigênio no cérebro, há uma perda transitória da consciência (desmaio), e acompanhada por um arroxeamento (cianose) ao redor dos lábios, e o corpo e extremidades podem ficar endurecidos.

NÃO É UMA CONVULSÃO e em menos de um minuto a criança respirará de forma normal e estará completamente alerta. Todos nós temos um reflexo de respiração após um episódio de retenção. Em algumas crianças este reflexo não funciona e elas desmaiam antes de respirar. Com o desmaio, “tudo volta ao normal” – o corpo respira automaticamente sem haver um bloqueio voluntário da respiração. 


Que cuidados devem ser tomados?


Tratamento durante a retenção voluntária da respiração:

A perda de fôlego é inofensiva e cessa espontaneamente. Não é considerada uma doença, portanto não há necessidade de qualquer tratamento medicamentoso ou acompanhamento neurológico ou psicológico.

Durante o episódio, seu filho deve permanecer deitado, já que a posição aumenta a circulação de sangue no cérebro. Não faça respiração boca a boca, não chacoalhe, não jogue água. Em poucos instantes o organismo retoma a respiração e a consciência volta.

O melhor é mostrar uma atitude tranquila. Se seu filho estiver fazendo chantagem por querer as coisas do jeito dele, não o gratifique após o episódio. Caso foi motivado por um susto (queda, batida), quanto mais tranquilos os pais estiverem após o episódio, menor é a chance de se repetir.

Antigamente eram feitos exames neurológicos (eletroencefalograma, tomografia, etc.), mas atualmente se sabe que na maioria dos casos os episódios não requerem nenhuma avaliação mais específica.