Receba nossa newsletter e fique por

dentro das dicas e novidades da clinica Len   

 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Ícone

desenvolvido por @onebranding

Hepatite A,B e C
  • HEPATITE A

  • O que é: uma infecção aguda causada pelo vírus da hepatite A. Pode ser assintomática ou apresentar sintomas semelhantes aos de uma gripe comum (febre, dor no corpo, sensação de fadiga) e náuseas. Em 1/3 dos casos, há quadro de icterícia (cor amarela da pele e das mucosas) com urina escura (como coca-cola). Os sintomas costumam ser mais raros ou mais leves em crianças e mais agudos em idosos. Em geral, o vírus da hepatite A desaparece naturalmente em poucos meses, não causando danos permanentes ao fígado. Em alguns casos, mais raros, a doença ocorre de forma muito severa, que pode levar à falência do fígado (cerca de 1 para 500 casos).

  • Prevalência: no Brasil, estima-se que entre 65% e 85% da população já teve contato com o vírus da hepatite A, desenvolvendo ou não os sintomas da doença.

  • Como se contrai: a transmissão do vírus é fecal-oral, através da ingestão de água e alimentos contaminados pelas fezes do paciente com o vírus A. Contatos através de copos, talheres, bebedouros, etc. também podem ser responsáveis pela transmissão da doença.

    O período de maior risco de transmissão é de uma a duas semanas antes e depois do aparecimento dos sintomas
    O consumo de frutos do mar, como mariscos crus ou inadequadamente cozidos, está particularmente associado com a transmissão de hepatite A, já que esses organismos podem estar em contato água contaminada.

  • Prevenção: a vacinação contra o vírus da hepatite A é a forma mais segura de prevenir a doença. Pode ser aplicada a partir de 1 ano de idade. Na Clínica Len de Pediatria, rotineiramente vacinamos todas as crianças contra hepatite A a partir desta idade.

    Medidas básicas de higiene, como lavar bem as mãos antes e depois de preparar ou consumir alimentos e esterilizar verduras são obviamente preventivas. Em regiões onde as condições de saneamento são precárias, recomenda-se não consumir alimentos crus e tomar só água mineral ou previamente esterilizada. Pessoas com sintomas de gripe ou náuseas não devem preparar alimentos.

  • Tratamento: não há tratamento específico e a doença costuma curar-se por si mesma. No entanto, os sintomas podem ser evitados com a administração de injeções de imunoglobulina específica, principalmente em crianças e idosos, após terem contato com o vírus A. 

    Hepatite B

    O que é: uma inflamação do fígado provocada pela infecção do vírus B da hepatite. Quando evolui para uma infecção crônica, destrói as células do órgão e pode causar cirrose e câncer de fígado. Os sintomas podem levar anos para se manifestar - muitas pessoas só descobrem ser portadoras do vírus quando já desenvolveram uma cirrose, por exemplo. A sensação de fadiga é o sintoma mais comum da hepatite B crônica. Alguns pacientes apresentam febre leve, falta de apetite, náuseas e reações assemelhadas às da gripe.

  • Prevalência: no mundo todo, há 350 milhões de portadores crônicos da hepatite B e 50 milhões de novos casos a cada ano. As estimativas brasileiras são de até 3% de portadores sem sintomas e 1% de doentes crônicos.

  • Como se contrai: no contato sexual com portadores do vírus, por meio de fluidos corporais, ferimentos, sangue e agulhas contaminadas. Mães portadoras da doença podem transmiti-la ao recém-nascido. Contato oral prolongado também pode ser relacionado à transmissão de hepatite B.

  • Prevenção: A vacina contra a hepatite B é aplicada rotineiramente desde o nascimento e protege de forma muito eficaz contra a doença. Sugerimos que os pais e avós que não foram vacinados contra a hepatite B recebam a vacina, que é aplicada em 3 doses.

    Outras medidas preventivas incluem o uso de camisinha nas relações sexuais, não compartilhar lâminas, escovas de dentes e agulhas e usar luvas de proteção no contato com sangue. Para evitar a transmissão da mãe para o filho, no caso de ela ser portadora do vírus, o recém-nascido deve receber a vacina e imunoglobulina logo após o parto.

    O vírus da hepatite B é considerado 20 vezes mais contagioso do que o HIV, causador da Aids. Campanhas de informação e estímulo à prática do sexo seguro, nos moldes das de prevenção à Aids, deveriam também focar a hepatite B, acreditam os especialistas.

  • Tratamento: a doença pode ser relativamente controlada com medicamentos, mas ainda não se pode falar em cura. Atualmente, há duas alternativas de tratamento para pacientes com hepatite B crônica: os medicamentos chamados interferons, injetáveis, e um grupo de medicamentos orais lamivudina, adefovir e entecavir, os dois últimos aprovados no ano passado

  • Hepatite C 

    O que é: causada pelo vírus C da hepatite, raramente surge na forma aguda, mas torna-se uma doença crônica na maioria das pessoas contaminadas, evoluindo, em 20% dos casos, para a cirrose e, em alguns casos, para o câncer de fígado. Em geral, as manifestações de uma possível cirrose só aparecem cerca de 20 anos depois de a pessoa contrair o vírus. Antes disso, podem ocorrer sintomas não-específicos, como fadiga e dores de estômago. 
    Nos estágios avançados, já com cirrose, os pacientes podem apresentar náuseas, inchaço abdominal, hemorragia interna e confusão mental. A cirrose causada pela hepatite C é a principal causa de transplantes de fígado em todo o mundo (mais de 50% dos casos).

  • Prevalência: há entre 170 e 200 milhões de pessoas infectadas pelo vírus da hepatite C no mundo. No Brasil, a doença atinge de 1,2% a 2% da população. Os índices mais altos concentram-se na região Norte (2,1%) e os mais baixos, no Sul do país (0,7%).

  • Como se contrai: principalmente no contato com sangue contaminado, por meio de agulhas ou transfusões. Pessoas expostas ao contágio, como os profissionais de saúde, estão no grupo de risco. É pouco freqüente, embora possível, a transmissão do vírus verticalmente, da mãe para o filho recém-nascido, assim como a transmissão sexual.

  • Prevenção: não usar drogas injetáveis, praticar sexo seguro, realizar transfusões de sangue e derivados em instituições idôneas, tomar medidas de proteção quando em contato com sangue, não compartilhar agulhas, lâminas e objetos perfuro cortantes. Embora pesquisas estejam em andamento, ainda não se chegou à vacina para a hepatite C
    Os testes mais sensíveis para detectar o vírus da hepatite C só foram introduzidos nos bancos de sangue do país entre 1992 e 1993. Pessoas que receberam transfusões antes disso devem fazer o teste da hepatite.

  • Tratamento: é feito combinando medicamentos injetáveis (interferons) e orais (ribavirina), e dura entre seis meses e um ano. Pode causar efeitos colaterais, como anemia hemolítica e depressão, entre outros. O tratamento é eficaz em 55% dos casos.