Receba nossa newsletter e fique por

dentro das dicas e novidades da clinica Len   

 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Ícone

desenvolvido por @onebranding

SPAM – Repasteurização
de Leite Longa Vida 

Há alguns meses está circulando um e-mail na internet, que vem causando polêmica entre os consumidores de leite longa vida.

"Muita atenção quando forem comprar leite em caixinha! Por não serem vendidas até determinado prazo essas caixinhas voltam para a fábrica para que o leite seja repasteurizado! Isso pode ocorrer por até cinco vezes... Ao voltarem para a venda ao consumidor final, o pequeno número que está marcado na figura acima com o círculo vermelho é alterado. Esse número varia de 1 a 5 e o ideal é comprar até o número 3, acima disso, a qualidade do leite estará bem ruim. Esse pequeno número fica localizado no fundo da caixinha, se você for comprar uma caixa fechada, basta verificar apenas uma embalagem, todas as outras terão a mesma numeração. Por exemplo, se uma embalagem tiver o número 1, significa que é a primeira vez que sai da fábrica e chega ao supermercado para a venda final, já se tiver o número 4, significa que ele já foi repasteurizado 4 vezes...". O texto é uma reprodução que circula pela internet e que está deixando consumidores brasileiros apreensivos.


De acordo com a denúncia, sem autor, quando o leite longa-vida não é vendido até o vencimento da validade, o produto estaria sendo recolhido e retornado à fábrica para ser novamente pasteurizado, reduzindo significativamente o teor nutricional, seu sabor e aumentando a probabilidade de coalhar. A denúncia aponta ainda que um número no fundo da caixa, que pode variar de um a cinco, indicaria a quantidade de vezes que o produto já foi pasteurizado, podendo estender a validade do produto de seis meses para até 30 meses.

O reprocessamento do leite longa-vida tenderia a escurecer o produto, provocando um tom "caramelizado", como podemos observar, por exemplo, no doce de leite. 

Quanto à numeração no fundo das embalagens é relativa a uma marcação dos fabricantes de ordem de produção. A cada pedido de embalagens feito por uma empresa produtora de leite é gerado um número seqüencial, que serve para o rastreamento da produção. 

O numero que aparece acima deste seqüencial no fundo da embalagem ( 1 , 2 , 3 etc. ) é impresso no momento da produção da mesma e refere-se ao posicionamento na bobina . A bobina é muito larga e a maquina vai fatiar em faixas automatizadas das caixinhas. São cortadas cinco fatias longitudinais. As fatias externas, laterais, são numeradas como faixas 1 e 5. A fatia vizinha à faixa 1 é a faixa 2. E vizinha a 5 é a faixa 4. A fatia central recebe o número 3. Todas as 5 faixas têm o mesmo número básico, que corresponde ao número de fabricação da bobina, variando apenas o número da faixa (que é de 1 a 5, em cada bobina).

Antes do envase, os alimentos passam por um tratamento térmico conhecido como ultrapasteurização ( ou UHT ) a fim de que sejam eliminados os microorganismos que eventualmente estejam neles presentes . Os microorganismos são os principais responsáveis pela deterioração do produto. É impossível que a embalagem seja reutilizada ou que o produto retorne depois de vencido para uma nova reutilização.

Devido ao processo de ultrapasteurização e ao envase em embalagens cartonadas assépticas, o leite pode ser armazenado sem refrigeração (antes de aberto) por até seis meses.

De acordo com a legislação vigente, o leite cru não pode sofrer duas vezes tratamento térmico. O Serviço de Inspeção Federal (SIF) fiscaliza o processo produtivo. Em relação aos produtos vencidos que são recolhidos, as empresas informam que nenhum item retorna à fábrica, uma vez que o SIF não permite a volta de produtos vencidos e/ou deteriorados. Na maioria das vezes, os produtos vencidos são enviados a uma empresa credenciada, que faz a destruição do item, reciclando a embalagem e destinando o conteúdo para ração animal.

Portanto este e-mail é um spam, mais uma história mentirosa que circula pela internet.