Receba nossa newsletter e fique por

dentro das dicas e novidades da clinica Len   

 

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Ícone

desenvolvido por @onebranding

Piscina e natação - Recomendações

São inúmeras as controvérsias em relação ao uso de piscina e aulas de natação para crianças: a idade de início, o tipo de piscina, as doenças infecciosas, segurança, entre outras.

Por falta de uma legislação específica no Brasil, as práticas adotadas são de origem empírica e copiadas de países como os Estados Unidos, que abordam de forma extremamente responsável este tema.

Segurança na piscina em casa

 

·  A maioria dos acidentes ocorre na piscina da própria casa. Até os 5 anos de idade nenhuma criança pode ser considerada autossuficiente na piscina. Mesmo que a criança saiba nadar perfeitamente, que faça aulas de natação desde muito cedo. Nesta faixa etária, no caso de uma queda na água de forma súbita e acidental, a criança pode afogar-se. Ocorre o "espasmo de glote", um edema súbito das vias aéreas que impede a respiração. 

·  Portanto, é sempre muito importante:

·  Haver um adulto que saiba nadar supervisionando a criança na piscina.

·  O adulto deve estar próximo da criança - o que os americanos chamam de "touch supervision".

·  Boias de braço ("flotes") não servem de proteção contra acidentes. São úteis para a criança ficar dentro da piscina, supervisionada.

·  As piscinas devem ter proteção, obrigatoriamente, quando estão fora de uso. O ideal são grades (fixas ou móveis) com no mínimo 120 cm de altura.

·  Redes de proteção (que ficam na superfície da água), mesmo bem fixas, não servem como proteção para crianças abaixo dos 2 anos de idade. As coberturas térmicas (plástico bolha) também não são consideradas seguras.

·  Não deixe objetos (boias, bolas, flutuantes em geral) quando não estiver utilizando a piscina. São convites para as crianças, que acidentam-se tentando pegá-los.

Aulas de Natação

As aulas de natação, geralmente em escolas e academias especializadas, são permitidas para crianças a partir dos 6 meses de idade (no Brasil). Nesta idade a criança já tem bastante prazer no contato com a água. Porém alguns pontos são importantes:

·  A criança, mesmo que faça natação desde os 6 meses de idade e saiba nadar perfeitamente NÃO PODE SER DEIXADA sem supervisão na piscina até cerca de 5 anos de idade. 

·  A criança familiarizada com piscina tem percentualmente mais chance de acidentes (por ter menos "medo" da piscina).

·  As piscinas de natação em academias devem preferencialmente não ser tratadas com CLORO. As opções modernas, como a salinização e ozonização são melhores. O vapor do cloro em piscinas cobertas é um fator alergênico importante.

·  O risco de infecções de vias aéreas - resfriados, rinites e otites - em crianças que fazem natação é maior. Porém, na maioria das vezes este aumento é inexpressivo. Cada caso deve ser analisado individualmente.

·  A natação recreativa, para crianças pequenas, não melhora os casos de asma e bronquite. Só há benefícios quando se pratica a natação de forma mais aeróbica, nadando centenas de metros, por bastante tempo.